Qual a relação entre doença periodontal e o diabetes?

A Doença Periodontal (DP) ou Periodontite, caracteriza-se como doença inflamatória crônica multifatorial associada com biofilme disbiótico e caracteriza-se pela destruição progressiva do aparato da inserção dental.

Já o Diabetes mellitus (DM) é uma doença caracterizada por um desequilíbrio metabólico, primeiramente do metabolismo dos carboidratos, caracterizada por hiperglicemia (nível elevado de glicose no sangue), que resulta de um defeito na secreção de insulina, uma ação alterada da insulina ou ambos. (7)

A interrelação entre as duas tem sido demonstrada através de inúmeros estudos ao longo dos anos, onde foi visto inclusive uma maior prevalência e severidade da DP em indivíduos diabéticos (1-3)

O que ocorre na realidade entre estas doenças é uma relação “bidirecional”, na qual uma doença exacerba a outra e vice-versa.

No DM, alterações biológicas como microangiopatia, metabolismo do colágeno com excessiva atividade colagenolítica, modificações na resposta inflamatória, leva ao indivíduo diabético a se predispor à DP. (4-5)

A hiperglicemia pode levar a complicações microvasculares nos diabéticos e é decorrente do acúmulo de produtos da degradação da glicose (AGEs) no plasma e tecidos desses pacientes. Aligação dos AGEs com seus receptores específicos (RAGEs), presentes na superfície dos macrófagos, fibroblastos e células endoteliais, vai dar início asuprarregulação de citocinas, tais como fator de necrose tumoral-ALFA ( TNF-ALFA) e interleucinas -1BETAe -6 (IL-1BETA e IL-6), que no periodonto levará à reabsorção óssea alveolar (processo ósseo onde os dentes ficam inseridos), pela diferenciação e atividade de osteoclastos e à destruição de colágeno por meio da ativação de metaloproteinases da matriz (MMPs), atuando fortemente na patogênese da DP.(5)

Por outro lado, a relação inversa onde a DP pode interferir no DM, também foi investigada.

O conhecimento prévio de que a presença de infecções pode influenciarno manejo clínico do diabetes, levou a investigação da Periodontite não tratada como possívelcoadjuvante no descontrole glicêmico destes pacientes.

 Quando ocorre a hiperglicemia, um estado hiper inflamatório sistêmico é iniciado devido à presença abundante de AGEs e sua interação com os RAGEs, resultando em alterações celulares, imunológicas e vasculares. Inicia-se assim uma cascata de degradação tecidual.

A presença constante da Periodontite quando não tratada, leva à degradação tecidual no periodonto, através da ativação das respostas imune e adaptativa e pode contribuir para o aumento da resistência à insulina, assim como a cascata degradativa originada a partir da hiperglicemia contribui para o processo de destruição tecidual no periodonto. A periodontite, portanto, pode atuar como potencializador na hiper inflamação já existente. Além disto pacientes com esta doença sem tratar, apresentam níveis sistêmicos elevados de proteína C-reativa e outros mediadores inflamatórios, o que leva à persistência do estado inflamatório, contribuindo para a manutenção deficiente do controle metabólico do diabetes. (8)

A interferência do tratamento periodontal no controle glicêmico é vista em estudos clínicos, mostrando evidências diretas. Uma meta-análise que incluiu 5 ensaios clínicos totalizando 371 pacientes mostrou que o tratamento periodontal é capaz de promover uma redução média de 0,4% nas taxas de hemoglobina glicada (9). A melhora no controle glicêmico provocada pelo tratamento periodontal foi independente

dos cuidados médicos para a manutenção do controle glicêmico. Mesmo que estes resultados venham de um grupo pequeno de estudos clínicos que apresentam heterogenicidade entre si, eles nos mostram uma redução nos níveis de hemoglobina glicada clinicamente significativa, quando há o tratamento periodontal (8).

Importantes observações na inter-relação destas doenças, são vistas na medida que se observa maior prevalência, extensão e severidade de periodontite quando indivíduos diabéticos e não diabéticos de mesma faixa etária são comparados. Sendo assim, diabéticos têm não só mais chancede ter a periodontite, como têm maior número de dentes afetados e maiores taxas de perda de inserção (8)

A duração do diabetes também impacta na periodontite, onde quanto maior for o tempo de diagnósticodesta doença, maior será a chance dos indivíduos apresentarem maiorgravidade e progressão da doença periodontal (8).

Indivíduos com pobre controle metabólico apresentam periodontite mais grave quando comparados com diabéticos controlados (8).

Numa revisão clássica de Löe (1993), em estudos longitudinais com pacientes diabéticos, foi sugerido que a doença periodontal poderia ser a sexta maior complicação do DM (10).

Enfim é pertinente colocar também, baseado no que foi dito acima, o quão importante se tornaa atuação do Odontólogo na equipe multiprofissional na atenção ao paciente com diabetes, bem como o interesse de toda a equipe de profissionais no entendimento da DP e a interrelação de ambas as doenças, prevalecendo sempre uma boa comunicação, onde com a colaboração de todos poderemoslevar melhor saúde e qualidade de vida aos pacientes.

Escrito por:

Livia Augusta Santos Lopes – Cirurgiã dentista-CROBA 3560; Especialista em Periodontia pela ABO-Ba; Odontóloga da SESAB/CEDEBA.

Referências:

1- Ponte E.; Tabaj D; Maglione M.; Melato M. Diabetes mellitus and oral disease. Acta Diabetol 2001; 38:57-62

2-Mealey B.L.; OatesT.W.Diabetes mellitus and periodontal disease. J periodontol, 2006; 77(8):1289

3- Nesse W.; Linde A.; Abbas F.; Spijkervet F. K. .;Dijkstra P. U.; de Brabander E.C. et al. Dose-response relationshipbetween periodontal 2009; 36:295-300.

4- Taylor G. W. Bidirectionalinterrelationshipsbetweem diabetes and periodontal diseases: na epidemiologic perspective. Ann Periodontol 2001; 6:99-112)

5- Tunes R.U.; Dourado M.; Bittencourt S. Livro: Avanços em Periodontia e Implantodontia:paradigmas e desafio; 2011;1ª ed.;págs: 348-352

 6- Tonetti MS, Greenwell H, Kornman KS. Stagingandgradingofperiodontitis: Framework andproposalof a new classificationand case definition. J ClinPeriodontol. 2018;45 (Suppl 20): S149-61.http://dx.doi.org/10.1111/jcpe.12945. PMid:29926495.

7- Cohen G.;MealeyR.;Medicina Periodontal

8- Oppermann V.R.; Rösing K.C.; Livro Periodontia para todos: da prevenção ao implante;2013;1ª ed;págs 146-150

9- Teeuw WJ, Guedes VE, Loos BG, Effectof periodontal treatmentonglycemiccontrolofdiabeticpatients : a systematicreviewand meta-analysis. Diabetes Care.2010 Feb;33(2);421-7.

10-Löe H. Periodontal disease. The sixthcomplicationof diabetes mellitus . Diabetes Care. 1993;16:329-334.

COMPARTILHE
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp