Quais são as particularidades da aplicação de insulina para as pessoas com diabetes?

A otimização do controle da glicose e a segurança do uso de insulina são fundamentais para a pessoa com diabetes. Permanecer com as metas glicemias estáveis repercutem favoravelmente na redução da variabilidade glicêmica. Para as pessoas que necessitam de doses muito baixas de insulina, ou de ajustes finos (especialmente crianças), deve-se preferir as canetas que apresentam graduação de 0,5U. Já para aquela que utiliza insulina em doses baixas, e necessitam de ajustes mais precisos, deve-se preferir o uso de seringa de 30U ou 50 unidades que são graduadas em 0,5U ou 1U e permitem maior precisão com agulha fixa.

Há agulhas com diversos comprimentos. A via de aplicação deve ser no tecido subcutâneo. As agulhas mais comercializadas são de 4 a 8 mm, mas ainda há no mercado a de 12,7mm. Esta última deve ser desencorajada pelo risco de aplicação intramuscular o que pode levar à hipoglicemia. Caso seja a única opção no momento, durante a aplicação a pessoa com diabetes deve fazer a prega cutânea e ângulo da agulha de 45º (adultos).

O menor tamanho da agulha disponível para seringa é de 6 mm e caneta de 4 mm, que devem ser a escolha para todas as pessoas. No Sistema único de Saúde (SUS), a agulha dispensada é de 4mm. O ângulo de aplicação deve ser de 90º. Não haverá necessidade de prega cutânea, exceto em crianças < 6 anos e adultos com escassez de tecido subcutâneo. Já as que optarem por seringa com agulhas de 6 e 8 mm, é indispensável a prega com ângulo de aplicação de 90º(adultos). Para as crianças e adolescentes e adultos com escassez de tecido subcutâneo o ângulo deve ser de 45º.

Estas orientações são fundamentais para prática segura na aplicação de insulina.

Fonte: disponível em https://diabetes.org.br/enfermagem/

COMPARTILHE
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp